sexta-feira, 11 de Outubro de 2013

Tagged Under:

Twitter - Kelly Baron



4 comentários:

Anónimo disse...

Kelly, se te colocassem uns óculos na cara e te convidassem para seres a garota da MultiOpticas, estou já a antever o sucesso. Seria estrondoso.
Já li um comentário, penso que no Blog, a sugerir, e acho que foi uma optima ideia.
È que tu és tão linda, que favoreces qualquer modelo de óculos.
Beijinhos

Maria. disse...

Esta menina merece ela linda por dentro e por fora.nao tirando o mérito a outras pessoas,a kelli merecia ter mais oportunidades no mundo da moda e até em publicidade.os senhores das agencias ,nao se iam arrepender a kelli já mostrou .que e neste meio que se sente bem e que brilha.e tem uma boa imagem.beijinhos.

Anónimo disse...

Linda a nossa Kelly, um beijinho, mas por usares o twitter não deixes de dar noticias nos outros canais, face/instagram por favor. eu tenho twitter mas gosto mais do face e do blog

Anónimo disse...

A preparação do twitter será já um começo da preparação da partida para as terras de Vera Cruz.
Confesso que isto dos vistos, foi para mim, de certa maneira, uma surpresa. Pensei que com o Brasil e os países de expressão portuguesa, as coisas não fossem tão rígidas, e desde que as pessoas fizessem prova, de que tinham dinheiro para regressar ao seu país de origem, dinheiro ou seguro de saúde, estivessem a ter trabalho, pudessem ir prolongando a sua estadia em Portugal ou no Brasil conforme os interesses profissionais. Mas parece não ser assim. Algumas poucas exceções são para casos muito especiais e não são muitos. Por isso considero os visto uma nuvem cinzenta sobre a vida profissional das pessoas. Quem quer estabelecer contratos naturalmente pode evitar de os fazer, assumir trabalhos no mundo da arte que podem com frequência mudar as datas, também não devem aparecer, e isto acho que pode partir um pouco as pernas a quem está nestas condições. Acho que neste caso os vistos acabam por deixar assuntos pendurados e isso não é bom. As pessoas podiam programar as suas viagem livremente, para poderem ir visitar a família e amigos, mas tendo a sua vida profissional organizada. Continuo a dizer, e sou só eu, porque nunca ouvi os interessados queixarem-se, detesto estes vistos e Deus queira que seja só eu.